sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Capítulo 8 -Talvez um dia eu diga que me podes beijar

Ora bem meninas hoje peço-vos para deixarem um cometário com a vossa opinião pois o feedback cada vez é menor e eu sinceramente pensei em acabar com a fic por isso façam esse pequeno favor. Beijinhos


Aquilo de ele me beijar sem eu estar à espera tinha mesmo que acabar! Quem é que beija assim uma pessoa do nada?! Pelos visto o Sérgio …
-PÁRA- Disse dando-lhe um empurrão que fez com que ele desse uns quantos passos atrás- isto de dares beijos às pessoas a torto e a direito tem que acabar! Isto não é assim como tu queres, queres beijar de certeza que arranjas ai muitas meninas na rua com vontade de te beijar agora para mim beijo tem que ter sentimento, tem que ser com alguém que eu ande/namore o que for e contigo não acontece nada disso por isso da mesma maneira que vieste aqui vais embora ADEUS!- dito isto bati-lhe com a porta na cara.
-Vamos falar direito – disse ele do lado de porta da porta
-NÃO!- exclamei- vai embora!- com a esperança de ele ir embora fui vestir o pijama e aquecer uma caneca de leite, sim, porque depois da chuva que apanhei ia saber muito bem uma caneca bem quente de leite com chocolate.


Além disso, amanha tinha que ir a faculdade pedir os papéis para anulação da matrícula, era estupido estar em direito numa país que não era o meu e além do mais adorava psicologia por isso ia mudar para tal. Enquanto o leite estava acabava de aquecer quando ouvi a Diana a chegar e ouvi uma voz masculina, se fosse o Cannales outra vez matava-a e ela que nem pensasse que eu ia sair de casa! Estava a entrar na sala pronta para mandar vir com a Diana por ter trazido o Cannales aquela hora para casa quando dou de caras com o Sérgio no MEU sofá!
-Mas tu não desamparas a loja?!- disse abrindo os braços- quem é que te deixou entrar?- perguntei pousando a caneca
-Quem é que achas?- perguntou a Diana- Eu, como é óbvio!- olhei para ela e acho que o meu olhar não precisou que eu abrisse a boca, aquela rapariga as vezes parecia que era parvinha!
-Agora és obrigada a ouvir-me- disse ele
-Vá lá Clara não sejas para e ouve o moço, tu sabes que o queres ouvir- disse a Diana piscando-me o olho.
-Diana vai para o quarto masé!- disse apontando em direcção a porta- E agora nós- disse virando-me para o Sérgio- diz lá o que queres, é que esta situação parece-me um bocadinho Hollywood de mais para mim.
-Pronto pronto é só para pedir desculpa por ter dito o que disse, mas por este último beijo à não peço desculpa.
-Então porque não?- perguntei indignada
-Porque foi a única maneira de te calar!- disse ele rindo
-Não te rias é que sais já porta fora!- disse zangada
-Pronto!- disse levantando os braços em tons de rendição- Agora falando a sério, eu quero ser teu amigo, ou talvez mais que…
-É melhor mudares o teu discurso- disse tentando disfarçar um sorriso.
-Ah ah ah, pronto então deixa-me pensar, eu quero ser teu amigo, por isso Clara deixas-me ser teu amigo?- disse estendendo a mão para eu a apertar
Olhei para ele e ele sorria, ele até era um bom rapaz, mas que eu não iria/podia deixar que fosse mais que isso, que um amigo porque se a barreira fosse ultrapassada não iria ser nada bom. Ao olhar para ele muitos pensamentos me passaram pela cabeça, como era possível eu, uma rapariguinha com a mania que era adulta ser “amiga” de tantas pessoas famosas? Isto até era difícil de pensar, e se o dissesse em voz alta acho que não iria acreditar ou simplesmente iria sentir-me parva ao dize-lo. Despertei dos meus pensamentos e olhei para a mão dele que continuava estendida, sorri e apertei-lhe a mão:
-Podes, mas com uma condição- acrescentei
-Qual?- perguntou ainda de mão dada comigo
-Nada de beijos surpresa! Podes dar na cara, como amigos óbvio mas na boa não!
-Por mais difícil que isso vá ser eu aceito!- disse rindo-se
-Talvez um dia não eu diga que me podes beijar- disse em tom provocador
-Então, que assim seja, espero que esse dia chegue até la eu prometo que não o faço
-Pronto então acho que podemos chamar isto de acordo
-Podemos sim- respondeu- Pronto agora que finalmente falei vou-me embora besos guapa- disse dando-me um beijo bem delicado na bochecha. Algo no meu interior disse para o chamar, para o reter ali na minha casa e sem eu “mandar” saiu-me:
-Espera, se quiseres leva isto como prova que vou tentar não te insultar, nem espetar um estalo mas se quiseres podes ficar mais um bocado, eu ia ver um filme porque perdi o sono todo por isso se quiseres estás à vontade
Ele olhou-me durante uns segundos com um ar desconfiado mas acabou por aceitar:
-Porque não?
-Ok boa terror pode ser?
-Terror?- perguntou arregalando os olhos
-Posso sempre pôr um de romance que não seja por isso- Respondi vendo o “terror” nos olhos dele
-Na… não que seja de terror- disse gaguejando
-Até quero ver como é que isto vai correr- disse murmurando
Sentamo-nos no sofá e eu pus uma manta em cima das pernas e peguei numa almofada, sim porque eu até podia ver filmes de terror mas que metiam medo ai se metiam! Houve partes em que tive mesmo que fechar os olhos pois era assustador de mais mas o melhor do filme foi quando o Sérgio deixou fugir um “grito” e tapou a cara com a almofada! Ri-me até doer a barriga, tinha sido épica a cara dele, ele tinha ficada mais assustado que uma menina de 5 anos! Acabei por mudar de filme, não o ia torturar daquela maneira, o filme era comédia romance, a história era simples e típica, eles conheceram-se começaram a gostar um do outro, a “outra” apareceu estragou tudo mas depois o amor vence tudo e bla bla bla, a última coisa que me lembro foi de estar a olhar para a televisão e ver o Channing Tatum (actor principal) dizer “There’s no chame in being crazy”, e digo-vos aquela frase marcou-me.
Acordei com dores no pescoço e com alguém tocar-me no braço e a murmurar algo que me pareceu ser um “Bom dia”:
-Clara? Oh clara? Acorda! – abri os olhos e vi a Diana debruçada sobre mim
-Bom dia- disse espreguiçando-me
-Bom dia, tens companhia- disse apontando para o lado
Olhei para o lado e vi o Sérgio muito direitinho com a cabeça apoiada no braço do sofá a dormir profundamente:
-Vou fazer o pequeno-almoço- disse a Diana- faço para ele? –perguntou
-Podes fazer- Respondi vendo-a abandonar a sala. Olhei para ele e estava muito sereno a dormir até me ia custar a acordá-lo mas tinha que ser:
-Sérgio? – disse dando-lhe uma pancadinha no braço. Ele não acordava de maneira nenhuma portanto ia ter que ser de outra maneira- SÉRGIO! – Berrei
-Anh ? Que foi ?- levantou-se sobressaltado
-Ai desculpa- respondi rindo- mas não acordavas de maneira nenhum então opah teve que ser de choque
-Pois, já me disseram que sou uma pedra a dormir- respondeu esfregando os olhos- adormeci né?-perguntou
-Não, eu é que fui-te raptar a casa- disse ironicamente
-Começas bem o dia- respondeu bocejando
-Calou que senão esquece lá o café que a Diana te está a fazer
Tomamos os três o café e foi engraçado pois contei a Diana a reacção do Sérgio ao filme de terror ao qual ela se riu ainda mais que eu!
-Bem vou-me embora que tenho treino daqui a duas horas e não posso chegar atrasado e vocês têm que ir para a faculdade por isso eu depois amanha digo alguma coisa que hoje tenho jogo vá portem-se bem meninas- pegou no casaco na carteira e nas chaves do carro e dirigiu-se a porta mas antes de sair acrescentou:
-Boa sorte nessa mudança de curso, espero que desta acertes
-Esperas tu e espero eu- disse sorrindo- agora chô ! bom treino, ah e manda beijinhos ao Káká e ao Marcelo
- Posso perguntar porque?
-Podes, pergunta-lhes a eles ! Xau !- disse empurrando-o porta fora.
O dia foi ocupado, fui a faculdade e pedi a anulação das matrículas disseram-me que tinha que esperar até início de outro para tentar entrar na faculdade de psicologia, depois fui a faculdade de psicologia informar-me e ver o programa deles. Cheguei a casa e fui tomar banho, do banho jantei, depois de jantar vesti-me a correr e fui para o bar. Tive lá uma hora e vim embora, o Javier viu que estava cansada deixou-me vir embora. Cheguei a casa vesti o pijama e aterrei na cama! Levantei-me com a campainha a tocar mas para minha sorte a Diana foi mais rápida e foi abrir a porta.
-Quem é?- berrei
-É para ti- berrou em resposta. Sai da cama vesti um casaco e dirigi-me a sala onde estava o Sérgio a andar de um lado para o outra.
-Credo rapaz ainda me furas o chão que se passa?- perguntei ainda sonolenta
-Creio que temos um problema- disse dando-me uma revista pra a mão onde ele estava a entrar a noite em minha casa e a sair de manha com o titulo “Sergio com su nueva novia “
-Mas que merda é esta ?!- disse olhando estupefacta para a revista

O que irá acontecer depois disto? Até esta relação de amizade está condenada?




4 comentários:

  1. Menina Maria, menina Maria...
    Devo dizer que foi o capitulo que mais gostei até agora...eles os dois são a coisa mais engraçada e querida <3
    Acho que sabes a minha opinião e, se é algo que gostas de fazes, deves continuar...até porque acabar desta maneira têm de haver continuação.

    Estoy esperando guapa.
    Besos.
    Ana Patrícia Moreira

    ResponderEliminar
  2. Amei :) <3
    nao desistas por favor :)
    *Ana Rita Pereira
    *beijão

    ResponderEliminar